Organizações Não-Econômicas e Filantrôpicas
  • Aspectos Legais e Tributários
  • Por Gilberto José de Andrade Filho
  • Compre aqui
Estamos há 17 anos ajudando você a atingir os resultados desejados! Associe-se hoje mesmo! Nossos associados contam com atendimento personalizado
e acesso à nossa base de dados
Adquira já o seu livro

ARTIGOS

Estratégia de Varejo


Por: José Floriano Pinheiro Silva

As Organizações, não podem agir sem conhecer o seu mercado de atuação, suas mudanças e sem avaliar os possíveis cenários disponíveis no mercado. Segundo Porter (1986), formular uma estratégia competitiva é sobretudo desenvolver um modelo amplo e detalhado de como a Organização irá competir, quais serão seus objetivos, suas metas e as políticas adotadas para alcançá-las. Segundo Hooley (2001) é primeiramente necessário definir a finalidade, ou seja: a missão do negócio e avaliar o perfil das capacidades da Organização, os seus pontos fortes e fracos, oportunidade e ameaças (matriz SWOT), clientes e concorrentes do mercado a ser disputado.

Para saber por que o cliente comprará o que você vende e porque o cliente comprará de você, necessário se torna que a Organização tenha bem definida as suas declarações de missão, visão, negócios e valores; Saiani (2001:57) afirma que as declarações compõem a alma da Organização: como ela age, como ela se relaciona e que sonho ela deseja realizar; e que todas as declarações após definidas devem ser compartilhadas com os diversos stakholders, pois do contrário eles ficarão sem saber suas prioridades e o negócio terminará perdendo o foco desejado.

Estratégia é, por conseguinte uma linha de ação que indica claramente como a empresa pretende utilizar os seus recursos para alcançar os objetivos estabelecidos; e quando bem executada deverá produzir o desempenho superior para a Organização de forma que os diversos competidores só possam reagir muito tempo depois ou recusá-la por ter um custo proibitivo.

Uma estratégia de marketing bem desenvolvida deve identificar os seguintes elementos:

Os mercados específicos, os segmentos e nichos que a Organização pretende atuar;

O objetivo de marketing, que deverá ser medido pelo volume de vendas e percentual de market share que a Organização deseja nos mercados selecionados;

Formato do varejo utilizado, variáveis do composto de varejo e as bases as quais serão construídas suas vantagens competitivas.

Embora haja muitos tipos de estratégias, Porter (1986) classificou-as em três tipos genéricos:

Liderança total em custo: a Organização esforça para conseguir menores custos de distribuição, oferecendo menores preços aos seus clientes;

Liderança por diferenciação: O negócio é concentrado em encontrar um desempenho superior numa área importante de benefícios para o cliente e cujos benefícios sejam valorizados por grande parte do mercado disputado;

Liderança por foco: O negócio concentra-se em um ou mais nichos do seu mercado de atuação, objetivando vantagens competitivas ou pela oferta de produtos e serviços com menores custos, ou pela diferenciação dos mesmos, mas em um segmento de mercado mais localizado ou restrito.

A definição dessas vantagens competitivas significa a oportunidade para conquistar e manter determinado posicionamento, diferenciado em relação à concorrência na mente do consumidor criando assim, uma muralha de proteção contra os diversos integrantes do mercado.

Portanto, para se criar uma vantagem competitiva sustentável de valor é primordial que o varejista esteja sempre atento ao que é realmente importante e valorizado pelos seus clientes; e, sobretudo, atento as dificuldades na implementação de cada alternativa e o seu nível de impacto na percepção do mercado, pois é através do planejamento estratégico que a empresa identifica em que direção predominante pretende mover-se, orientando suas competências para as oportunidades que surgem no mercado de criar valor para seus clientes atuais e potenciais.

Fonte: AG & JG






Localização

Entre em contato

Contact form submitted

Links Úteis