Organizações Não-Econômicas e Filantrôpicas
  • Aspectos Legais e Tributários
  • Por Gilberto José de Andrade Filho
  • Compre aqui
Estamos há 19 anos ajudando você a atingir os resultados desejados! Associe-se hoje mesmo! Nossos associados contam com atendimento personalizado
e acesso à nossa base de dados
Adquira já o seu livro

PORTARIAS MDS

PORTARIA Nº 99, DE 20 DE SETEMBRO DE 2013


Estabelece regras e procedimentos para o credenciamento de entidades sem fins lucrativos no âmbito do Programa Cisternas.

A MINISTRA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único, II, da Constituição Federal, e tendo em vista o disposto nos arts. 2º e 3º do Decreto nº 8.038 de 04 de julho de 2013, resolve:

Art. 1º O credenciamento de entidades privadas sem fins lucrativos no âmbito do Programa Cisternas é condição para a contratação pelos parceiros e será realizado de forma contínua, de acordo com o disposto nesta Portaria.

Art. 2º Para serem credenciadas no âmbito do Programa Cisternas, as entidades privadas sem fins lucrativos deverão comprovar o atendimento dos seguintes requisitos:

I - estar legalmente constituída há mais de três anos;

II - constar em objeto social a promoção de ações relacionadas ao desenvolvimento rural e/ou segurança alimentar; como por exemplo, assistência ou assessoria técnica e educacional a agricultores, promoção do associativismo, promoção de canais de comercialização para agricultura familiar, apoio à organização socioeconômica das famílias, apoio a formação de arranjos produtivos locais, a implantação de tecnologias sociais de acesso à água ou de fomento e/ou estruturação produtiva, extensão rural, estudos e pesquisas no âmbito da agricultura e criação de animais, ações de recuperação e proteção ambiental, combate à desertificação, promoção da convivência sustentável com o bioma, dentre outras.

III - possuir área de atuação com abrangência definida;

IV - possuir experiência comprovada na execução de projetos que visem ao desenvolvimento rural e/ou segurança alimentar, de no mínimo dois anos;

V- não estar incluída no Cadastro de Entidades Privadas sem Fins Lucrativos Impedidas (Cepim) ou no Cadastro Nacional de Empresas Inidôneas e Suspensas (Ceis); e

VI - apresentar atestado de capacidade técnica emitido por conselho de políticas públicas.

Parágrafo único. As entidades que comprovarem experiência de que trata o inciso IV do caput, na forma do ' 3° do art. 3º, por meio da implantação de tecnologias sociais de acesso à água, financiadas com recursos do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome - MDS, ficam dispensadas de cumprir o requisito mencionado no inciso VI do caput deste artigo.

Art. 3° A comprovação dos requisitos de que trata o art. 2º será realizada a partir da apresentacão dos seguintes documentos:

I - ofício de solicitação de credenciamento assinado pelo representante legal da entidade, conforme modelo do Anexo I;

II - estatuto social ou correspondente registrado em cartório e respectivas alterações;

III - comprovante do Cadastro Nacional de Pessoas Jurí- dica;

IV- cópia do comprovante de endereço da sede da entidade e de seus escritórios regionais, se for o caso; e

V - formulário de informações, conforme Anexo II desta Portaria, acompanhado dos documentos comprobatórios das experiências citadas. ' 1° O credenciamento será realizado por sistema informatizado, disponibilizado pelo MDS.

' 2° Na indisponibilidade do sistema de que trata o ' 1º, todos os documentos deverão ser enviados pelo correio, com aviso de recebimento, para a Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional - SESAN, cujo endereço consta do sítio do MDS na internet.

' 3° Serão aceitos como comprovante de experiência de que trata o inciso IV do art. 2º cópias de contratos, convênios ou congêneres com parceiros públicos ou privados que indiquem o objeto, prazo de vigência, metas e recursos envolvidos, acompanhadas de declaração do contratante ou parceiro de que o respectivo objeto foi executado de forma satisfatória.

' 4° O resultado do credenciamento será publicado no sítio do MDS na internet.

' 5° O credenciamento será realizado por comissão permanente responsável por conduzir o processo de análise dos documentos de que trata o caput, designada pela SESAN.

Art. 4° O credenciamento terá vigência de cinco anos, podendo ser renovado, nos moldes do credenciamento inicial, por solicitação da entidade, dentro dos noventa dias que antecedem a expiração da validade do credenciamento em vigor.

' 1º A entidade credenciada será responsável pela atualização de seu cadastro, sempre que necessário, durante a vigência do credenciamento.

' 2° Findo o prazo estipulado no caput, a entidade perderá sua condição de credenciada, podendo, a qualquer tempo, solicitar novo credenciamento. Art. 5° A entidade credenciada poderá ser descredenciada nos seguintes casos:

I - quando a entidade concorrer em chamada pública no âmbito do Programa Cisternas com dados cadastrais desatualizados, especialmente quanto à mudança de sede ou área de abrangência indicada no seu estatuto social;

II - quando constatada má-fé, dolo, falsidade ideológica ou outras tentativas de fraude, na execução dos contratos celebrados no âmbito do Programa Cisternas; ou

III - por solicitação do parceiro, quando houver descumprimento de cronograma e condições contratuais não justificadas pelo contratado.

' 1°Para o descredenciamento de que tratam os incisos II e III, deverá ser demonstrado que se garantiu à entidade o direito à ampla defesa e ao contraditório e que não houve o saneamento das pendências contratuais no prazo concedido, conforme o caso.

' 2° A entidade descredenciada na forma dos incisos I e III poderá realizar nova solicitação de credenciamento à SESAN após o período de doze meses.

' 3° A entidade descredenciada na forma no inciso II poderá realizar nova solicitação de credenciamento à SESAN após o período de sessenta meses, desde que comprove ter reparado o dano causado.

' 4° O descredenciamento realizado pela SESAN deverá ser divulgado no sítio oficial do MDS.

Art. 6° O credenciamento poderá não ser renovado nos seguintes casos:

I - quando for aplicada sanção contratual a entidade em mais de cinquenta por cento dos contratos firmados;

II - quando a entidade estiver em situação de inadimplência contratual no âmbito do Programa Cisternas; ou

III - quando a entidade não mantiver os requisitos para o credenciamento.

' 1° A entidade impedida de renovar o credenciamento nos termos do inciso I do caput poderá realizar nova solicitação de credenciamento à SESAN após o período de doze meses.

' 2° A entidade impedida de renovar o credenciamento nos termos do inciso II do caput poderá realizar nova solicitação de credenciamento à SESAN após o saneamento das pendências que ensejaram a situação de inadimplência.

Art. 7° A entidade poderá interpor recurso, no prazo de cinco dias úteis, a contar da divulgação do resultado, nos casos de descredenciamento ou da negativa de sua renovação.

' 1º O recurso deverá ser interposto, preferencialmente, por meio de formulário eletrônico ou enviado pelo correio, com aviso de recebimento para a Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional - SESAN, cujo endereço constará do sítio do MDS na internet.

' 2º Para fins de contagem do prazo de que trata o caput, será considerada a data de postagem do recurso.

' 3° A decisão que julgar o recurso deverá ser divulgada no sítio eletrônico do MDS na internet.

Art. 8° Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.

TEREZA CAMPELLO

Faça o download do anexo logo abaixo que contém o formulário de preenchimento para as Entidades

Fonte: DOU, de 23/09/2013.

ARQUIVOS ASSOCIADOS:

[ download ] 15121_15121_formulárioentidadeport99.pdf






Localização

Entre em contato

Links Úteis