Organizações Não-Econômicas e Filantrôpicas
  • Aspectos Legais e Tributários
  • Por Gilberto José de Andrade Filho
  • Compre aqui
Estamos há 19 anos ajudando você a atingir os resultados desejados! Associe-se hoje mesmo! Nossos associados contam com atendimento personalizado
e acesso à nossa base de dados
Adquira já o seu livro

PORTARIAS MDS

PORTARIA Nº 103, DE 30 DE SETEMBRO DE 2013


Altera as Portarias no 754, de 20 de outubro de 2010, e no 256, de 19 de março de 2010, ambas do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome - MDS.

A MINISTRA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME, no uso das atribuições que lhe conferem o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição Fe- deral, o art. 27, inciso II, da Lei n° 10.683, de 28 de maio de 2003, o art. 1o, inciso VIII, do Anexo I do Decreto n° 7.493, de 2 de junho de 2011, e o art. 2o, inciso IV, do Decreto no 5.209, de 17 de setembro de 2004, e tendo em vista o disposto na Lei no 10.836, de 9 de janeiro de 2004, e no Decreto n° 5.209, de 2004, resolve:

Art. 1o Os artigos 2o, 4o, 5o e 6o da Portaria n° 256, de 19 de março de 2010, do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome - MDS, passam a vigorar com a seguinte redação:

´´Art. 2o O MDS transferirá mensalmente, na forma do art. 3o, recursos financeiros ao Estado que tenha aderido ao Programa Bolsa Família - PBF e ao CadÚnico, observadas as disposições da Portaria n° 246, de 20 de maio de 2005, do MDS, a fim de apoiar o ente municipal na realização alternativa ou cumulativa das seguintes ati- vidades:

..........................................................
II - apoio técnico e operacional às instâncias de controle social dos entes federados, conforme o ' 6o do art. 11-A do Decreto no 5.209, de 2004;
III - gestão da coordenação estadual do PBF, assim como da estruturação da unidade;
IV - capacitação de gestores e técnicos municipais em gestão e operacionalização do CadÚnico e do PBF, de operadores em sis- tema de CadÚnico em sistema de gestão de benefícios e em sistema de condicionalidades, bem como de entrevistadores para preenchi- mento dos formulários do CadÚnico;
V - formulação e implementação de estratégias que apoiem os municípios na localização de famílias pobres e extremamente po- bres visando à sua inclusão no CadÚnico, em especial daquelas per- tencentes aos grupos populacionais tradicionais e específicos;
..............................................................
X - implementação de estratégias para permitir o acesso das famílias de baixa renda incluídas no CadÚnico, em especial daquelas que fazem parte do público-alvo do PBF, ao Registro Civil de Nas- cimento e à documentação civil básica;
XI - articulação intersetorial para o planejamento, imple- mentação e avaliação de ações voltadas à ampliação do acesso das famílias beneficiárias do PBF aos serviços públicos, em especial aos de saúde, educação e acompanhamento familiar realizado pela as- sistência social;
.............................................................
XIV - outras atividades de apoio à gestão do PBF e do CadÚnico em municípios do Estado.
XV - articulação intersetorial para o planejamento, imple- mentação e avaliação de ações voltadas à ampliação do acesso das famílias incluídas no CadÚnico aos programas sociais que o utilizam como instrumento de seleção de seus beneficiários, bem como aos demais serviços voltados à população de baixa renda; e
XVI - outras atividades de gestão e execução do PBF e do CadÚnico.´´ (NR)

´´Art.4o..................................................

' 1o .....................................................
I - cadastro válido: aquele que atende ao previsto no inciso IX do art. 2o da Portaria no 177, de 16 de junho de 2011, do MDS, observados os requisitos definidos nas Instruções Normativas ex- pedidas pela Secretaria Nacional de Renda de Cidadania - SENARC, de que trata o seu parágrafo único;
II - cadastro atualizado: aquele que atende ao previsto nos incisos X e XI do art. 2o da Portaria no 177, de 2011, do MDS, observadas as informações específicas definidas nas Instruções Nor- mativas expedidas pela SENARC, de que trata o seu parágrafo úni- co;
III - número de famílias estimadas como público-alvo do CadÚnico: a estimativa do número de famílias com renda mensal per capita de até meio salário mínimo, definida pelo MDS, com base em dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE.

.........................................................
' 5o .....................................................

I - .......................................................
c) o Estado não tiver informado, em sistema disponibilizado pelo MDS, no prazo estabelecido conforme disposto no art. 6o, a apresentação da comprovação de gastos dos recursos do Índice de Gestão Descentralizada Estadual - IGD-E ao respectivo Conselho Estadual de Assistência Social; ou
d) o Conselho Estadual de Assistência Social não tiver in- formado a aprovação total da comprovação de gastos dos recursos transferidos, no prazo estabelecido conforme disposto no art. 6o;

II -.........................................................
c) o Estado tiver informado, em sistema disponibilizado pelo MDS, no prazo estabelecido conforme disposto no art. 6o, a apre- sentação da comprovação de gastos dos recursos do IGD-E ao res- pectivo Conselho Estadual de Assistência Social; ou
d) o Conselho Estadual de Assistência Social tiver informado a aprovação total da comprovação de gastos dos recursos transferidos, no prazo estabelecido conforme disposto no art. 6o.

........................................................´´ (NR)
´´Art. 5° As transferências de que trata esta Portaria serão custeadas por meio de dotações constantes do orçamento do MDS em ação orçamentária específica, limitadas à disponibilidade orçamen- tária anual.´´ (NR)

´´Art. 6o ................................................
' 1° Os Estados que tiverem recebido recursos de apoio financeiro à gestão e execução estaduais do PBF e do CadÚnico deverão informar, anualmente, ao MDS, por meio do Sistema de Informação do Sistema Único de Assistência Social - SUASWEB, as deliberações tomadas pelos Conselhos Estaduais de Assistência Social acerca da comprovação de gastos dos recursos repassados, observadas as seguintes datas limite:

I - 30 de abril do ano seguinte ao término do exercício, para o lançamento das informações sobre a apresentação da comprovação de gastos dos recursos do IGD ao respectivo Conselho de Assistência Social; e
II - 31 de maio do ano seguinte ao término do exercício, para lançamento do resultado do parecer do respectivo Conselho de As- sistência Social quanto à análise da comprovação de gastos a que se refere o inciso I.
.........................................................

' 3o Os prazos previstos nos incisos I e II do ' 1o presumem a disponibilidade do aplicativo para lançamento das informações, referido no art. 6o da Portaria no 625, de 10 de agosto de 2010, até o dia 28 de fevereiro do ano em que deve ocorrer o lançamento das informações, sendo prorrogado quando não ocorrer a disponibilidade até a referida data, conforme prazos a seguir:

I - último dia do mês em que completar sessenta dias con- tados da disponibilização do aplicativo a que se refere este parágrafo, para o lançamento das informações sobre a apresentação da com- provação de gastos dos recursos do IGD ao respectivo Conselho de Assistência Social; e
II - último dia do mês em que completar noventa dias con- tados da disponibilização do aplicativo a que se refere este parágrafo, para lançamento do resultado do parecer do respectivo Conselho de Assistência Social quanto à análise da comprovação de gastos a que se refere o inciso I.

' 4o A SENARC poderá promover a alteração dos prazos previstos neste artigo, devidamente justificada.´´ (NR) Art. 2o Os artigos 2o, 3o, 4o, 9o e 12 da Portaria n° 754, de 20 de outubro de 2010, do MDS, passam a vigorar com a seguinte redação:

´´Art. 2o O MDS transferirá mensalmente, na forma do art. 4o, recursos financeiros ao município que tenha aderido ao PBF e ao CadÚnico, observadas as disposições da Portaria n° 246, de 20 de maio de 2005, do MDS, a fim de apoiar o ente municipal na rea- lização alternativa ou cumulativa de atividades:

.............................................................
III - de acompanhamento das famílias inscritas no CadÚnico, em especial as beneficiárias do PBF;

IV - de gestão dos processos de cadastramento, contem plando atividades de identificação do público a ser cadastrado, en- trevista e coleta de dados, inclusão dos dados no sistema de ca- dastramento, manutenção das informações cadastradas, capacitação de entrevistadores e operadores do Sistema de CadÚnico, bem como outras atividades que visem qualificar a base de dados do CadÚ- nico;
V - de articulação intersetorial para o planejamento, implementação e avaliação de ações voltadas à ampliação do acesso das famílias beneficiárias do PBF aos serviços públicos, em especial os de saúde, educação e acompanhamento familiar realizado pela as- sistência social;
VI - relacionadas ao acompanhamento e à fiscalização do PBF, inclusive aquelas requisitadas pelo MDS; VII - de gestão articulada e integrada com os benefícios e serviços socioassistenciais previstos na Lei no 8.742, de 7 de de- zembro de 1993;
VIII - de apoio técnico e operacional às instâncias de controle social dos entes federados, conforme ' 6o do art. 11-A do Decreto no 5.209, de 2004;
IX - de formulação e implementação de estratégias para a localização de famílias pobres e extremamente pobres visando sua inclusão no CadÚnico, em especial daquelas pertencentes aos grupos populacionais tradicionais e específicos;

Documento assinado

X - de revisão dos dados de famílias beneficiárias do PBF;
XI - de gestão da área responsável pelas ações de gestãoexecução do PBF e do CadÚnico no município, assim como de estruturação da unidade;
XII - de articulação intersetorial para o planejamento, implementação e avaliação de ações voltadas à ampliação do acesso das famílias incluídas no CadÚnico aos programas sociais que o utilizam como instrumento de seleção de seus beneficiários, bem como aos demais serviços voltados à população de baixa renda; e
XIII - outras atividades de gestão e execução local do PBFdo CadÚnico.

' 3o As transferências de que trata esta Portaria serão custeadas por meio de dotações constantes do orçamento do MDS em ação orçamentária específica, limitadas à disponibilidade orçamen- tária anual.´´ (NR)

´´Art. 3o ....................................................

' 2o..........................................................

I - ..........................................................
b) o município não tiver informado, em sistema disponibilizado pelo MDS, no prazo estabelecido conforme disposto no art. 9o, a apresentação da comprovação de gastos dos recursos do IGD-M ao respectivo Conselho Municipal de Assistência Social; ou
c) o Conselho Municipal de Assistência Social não tiver informado a aprovação total da comprovação de gastos dos recursos transferidos, no prazo estabelecido conforme disposto no art. 9o;

II -............................................................
b) o município tiver informado, em sistema disponibilizado pelo MDS, no prazo estabelecido conforme disposto no art. 9o,apresentação da comprovação de gastos dos recursos do IGD-M ao respectivo Conselho Municipal de Assistência Social; ou
c) o Conselho Municipal de Assistência Social tiver informado a aprovação total da comprovação de gastos dos recursos transferidos, no prazo estabelecido conforme disposto no art. 9o.
............................................................´´ (NR)
´´Art. 4o...............................................

II -........................................................


b) 3% (três por cento) do valor apurado no inciso I do caput a todos os municípios, exceto aqueles que, no respectivo período de apuração, estejam em situação de atraso em relação ao cumprimento de prazo estabelecido pela Secretaria Nacional de Renda de Cidadania - SENARC para o atendimento de demanda de fiscalização enca- minhada ao município em razão do disposto no ' 2o do art. 33 do Decreto no 5.209, de 2004;

' 3o ......................................................
III - à instância municipal de controle social do PBF e aos seus integrantes, seja ela o Conselho Municipal de Assistência Social ou outra exclusiva ou designada; e
.....................................................................´´ (NR)

´´Art. 9o Os municípios que tiverem recebido recursos de apoio financeiro à gestão e execução estaduais do PBF e do CadÚnico deverão informar anualmente ao MDS, por meio do Sistema de Informação do Sistema Único de Assistência Social - SUASWEB, as deliberações tomadas pelos Conselhos Municipais de Assistência Social acerca da comprovação de gastos dos recursos repassados, observadas as seguintes datas limite:

I - 30 de abril do ano seguinte ao término do exercício, para o lançamento das informações sobre a apresentação da comprovação de gastos dos recursos do IGD ao respectivo Conselho de Assistência Social; e
II - 31 de maio do ano seguinte ao término do exercício, para lançamento do resultado do parecer do respectivo Conselho de Assistência Social quanto à análise da comprovação de gastos a querefere o inciso I.

' 1o As informações lançadas eletronicamente em sistemas disponibilizados pelo MDS presumem-se verdadeiras e são de inteira responsabilidade de seus declarantes.

' 2o Os prazos previstos nos incisos I e II do ' 1o presumem a disponibilidade do aplicativo para lançamento das informações, referido no art. 6o da Portaria no 625, de 10 de agosto de 2010, atédia 28 de fevereiro do ano em que deve ocorrer o lançamento das informações, sendo prorrogado quando não ocorrer a disponibilidade até a referida data, conforme prazos a seguir:

I - último dia do mês em que completar sessenta dias, contados da disponibilização do aplicativo a que se refere este parágrafo, para o lançamento das informações sobre a apresentação da com- provação de gastos dos recursos do IGD ao respectivo Conselho de Assistência Social; e
II - último dia do mês em que completar noventa dias, contados da disponibilização do aplicativo a que se refere este parágrafo, para lançamento do resultado do parecer do respectivo Con- selho de Assistência Social quanto à análise da comprovação de gastos a que se refere o inciso I.

' 3o A SENARC poderá promover a alteração dos prazos previstos neste artigo, devidamente justificada.´´ (NR)

´´Art. 12. ............................................
I - cadastro válido: aquele que atende ao previsto no inciso IX do art. 2o da Portaria no 177, de 16 de junho de 2011, observados os requisitos definidos nas Instruções Normativas expedidas pela SE- NARC, de que trata o seu parágrafo único;
II - cadastro atualizado: aquele que atende ao previsto nos incisos X e XI do art. 2o da Portaria no 177, de 2011, observadasinformações específicas definidas nas Instruções Normativas expe- didas pela SENARC, de que trata o seu parágrafo único;
III - número de famílias estimadas como público-alvo do CadÚnico: a estimativa do número de famílias com renda mensal per capita de até meio salário mínimo, definida pelo MDS, com base em dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE; e
..................................................................´´ (NR)

Art. 3o A Secretaria Nacional de Renda de Cidadania - SE- NARC providenciará, no prazo de sessenta dias contados da pu- blicação desta Portaria, a republicação da Portaria no 754, de 2010, e da Portaria no 256, de 2010, ambas do MDS, com as modificações nelas realizadas desde a sua entrada em vigor, nos termos do art. 25 do Decreto no 4.176, de 28 de março de 2002.

Art. 4o Os procedimentos de informação previstos no art. 6o da Portaria no 256, de 2010, do MDS, e no art. 9o da Portaria no 754, de 2010, do MDS, com a redação dada por esta Portaria, aplicam-se aos recursos transferidos a título de apoio financeiro à gestão des- centralizada do PBF no exercício de 2012.

Art. 5o Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.

Art. 6o Ficam revogadas as alíneas ´´d´´ e ´´e´´ do inciso III do ' 1o do art. 1o e as alíneas ´´d´´ e ´´e´´ do inciso III do art. 4o da Portaria no 256, de 2010, do MDS.

TEREZA CAMPELLO


Fonte: DOU, de 01/10/2013.






Localização

Entre em contato

Links Úteis